Atendimentos domiciliares movimentam bilhões de reais no Brasil

Segundo dados do Censo NEAD-Fipe 2019/2020, a receita gerada em 2019 pelo home care foi de R$ 10,6 bilhões. Os números não deixam dúvidas de que o setor de Atenção Domiciliar à Saúde está em pleno crescimento no Brasil.

Continue a leitura para entender melhor a dinâmica financeira do home care, quais são os motivos dessa expansão do setor e como os profissionais de saúde podem se beneficiar com isso.
 

Conheça em detalhes a movimentação de dinheiro em atendimentos domiciliares

Censo NEAD-Fipe 2019/2020 é o único levantamento oficial e, até a publicação deste conteúdo, o relatório mais atual sobre o cenário do home care no Brasil. A pesquisa foi feita pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com o Núcleo Nacional das Empresas de Serviços de Atenção Domiciliar (NEAD).

Em relação ao dinheiro movimentado no setor, confira quais são os principais destaques observados no período:

- a receita anual do setor foi de R$ 10,6 bilhões, sendo 57,5% (R$ 6,1 bilhões) referentes a internações domiciliares e 42% (R$ 4,5 bilhões) por atendimentos domiciliares (R$ 4,5 bilhões);
- o ticket médio foi de R$ 212,48 para serviços de atendimento domiciliar e de R$ 742,84 para serviços de internação domiciliar;
- já o custo médio dos pacientes em diário dos pacientes foi estimado em R$ 141,92 para atendimento domiciliar e R$ 614,96 para internação domiciliar.

Vale destacar que o questionário foi enviado para 472 empresas do setor, mas apenas 58 delas responderam, de forma voluntária, total ou parcialmente as perguntas da pesquisa. Por conta disso, a Fipe considera que os dados precisam ser considerados de forma cautelosa.
 

Por que o home care está crescendo tanto no Brasil?

O número de empresas home care passou de 676, em junho de 2018, para 830 em dezembro de 2019 — um aumento de 22,8%. Além disso, existem vários outros estabelecimentos que trabalham com home care de forma não essencial, como orfanatos, Instituições de Longa Permanência e outros. Se eles fossem considerados, o número com certeza seria muito maior.

Existem várias razões que explicam o motivo desse crescimento e o porquê ainda existe espaço para que o setor se expanda mais nos próximos anos. Veja:

- envelhecimento da população brasileira;
- valorização do atendimento humanizado;
- maior interesse da família em participar do tratamento e recuperação do paciente;
- problema de falta de leitos públicos e particulares para atender a população;
- mais qualidade de vida para profissionais e pacientes.
 

É possível ser bem remunerado com home care?

Com certeza! O segmento, como vimos, está movimentando muito dinheiro e ganhando cada vez mais destaque na saúde do país. Para suportar o aumento da demanda de pacientes, surgem cada vez mais oportunidades de emprego.

De acordo com o site Vagas, a média salarial de um Fisioterapeuta Home Care é R$2.247,00 e pode chegar a até R$3.121,00. Já segundo informações do portal Glassdoor, um Fisioterapeuta Home Care empregado em um hospital pode ganhar até R$5.337,00.

O valor da remuneração pode ser ainda maior para profissionais autônomos, que recebem de acordo os atendimentos realizados e podem aproveitar a grande demanda para aumentar o faturamento.

Os rendimentos também variam de acordo com a experiência, o tipo de atendimento e a especialidade de cada profissional. Por isso, quem quer oferecer um bom atendimento domiciliar, fidelizar clientes e ser bem remunerado, precisa fazer cursos para se especializar.

Se você é fisioterapeuta e tem interesse em aproveitar a expansão do setor home care no Brasil, aproveite para conhecer agora mesmo o curso de Pós-graduação em Fisioterapia em Home Care com ênfase na Assistência integral domiciliar do Ibraesp!

Leia também:
Entenda como funciona e quais são as oportunidades do mercado de trabalho em Home Care.
Por que os fisioterapeutas precisam investir em Home Care?
Você sabia que existem manuais de boas práticas para atendimentos domiciliares?

Gostou deste post?
Ajude-nos a divulgar o mesmo!
Compartilhe ...